Que o racismo institucional é um determinante social da saúde (DSS) a sociedade brasileira já reconheceu e para seu enfrentamento aprovou a lei 12.288/2010 cujo capítulo 2 é a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra – PNSIPN. Igualmente não é um fato novo que a PNSIPN oferece condição para que o(a) profissional de saúde atue sobre muitos outros determinantes sociais que comprometem a saúde da pessoa. O desafio que já estava posto e que teve sua magnitude ampliada com a pandemia de covid-19 é o enfrentamento de um recente determinante social: a “cisão digital” (digital divide). Para o momento, o prontuário eletrônico em implantação na Atenção Básica permite a produção de relatórios consolidados com dados desagregados pelo quesito cor. É factível avançar desde já na identificação de desigualdades em cada Unidade de Saúde e as ferramentas da Ciência de Dados de Cidadania estão disponíveis. Basta usar.

Aula remota para o Mestrado Profissional em Atenção Primária à Saúde – HESFA/UFRJ, junho 2021

Texto da apresentação em

Cruz, Isabel CF da. A Política Nacional de Saúde Integral da População Negra –PNSIPN na Atenção Primária à Saúde (Digital): promovendo a equidade no ponto do cuidado. Boletim NEPAE-NESEN, [S.l.], v. 18, n. 1, maio 2021. ISSN 1676-4893. Disponível em: <http://www.jsncare.uff.br/index.php/bnn/article/view/3427/905>. Acesso em: 12 jun. 2021.

Translate »